15 CURIOSIDADES INTERESSANTES (E BEM NOJENTAS) SOBRE OS ÁCAROS





Os ácaros são tão pequenos – menores do que 1 milímetro – que caberiam doze com folga na cabeça de um alfinete.

 

Os ácaros pertencem à classe Arachnida (dos aracnídeos) e subclasse Acarina ou Acari, a mesma dos carrapatos.

 

Vivem de dois a três meses e se reproduzem pelo menos duas vezes durante esse período.

 

O animal mais forte do planeta é um ácaro da espécie Archeogozetes longisetosus, que suporta 1 180 vezes o próprio peso. É como se um humano fosse capaz de carregar um objeto de 80 toneladas.

 

Acredite se quiser, mas existem duas espécies de ácaros vivendo em seu rosto. E elas representam apenas uma ínfima parte das espécies existentes em todo o mundo: 1 milhão. Por enquanto, menos de 50 mil foram descritas pela ciência.

 

Os ácaros vivem nos ambientes mais inimagináveis: água potável, pulmão das serpentes, traquéia das abelhas, globo ocular dos morcegos, penas das aves, ânus das tartarugas, narinas dos beija-flores…

 

A maioria das espécies de ave abriga mais de um tipo de ácaro especializado. Algumas possuem mais de 25 espécies vivendo entre a ponta do bico e da cauda.

 

Ácaros também parasitam plantas. Ao infestar plantações de morango, tomate, feijão e rosas, os ácaros rajados chegam a provocar prejuízos na agricultura.

 

Ácaros também podem ser úteis. Um dos produtos de uma empresa holandesa de controle biológico é um ácaro que ajuda a combater pragas em plantações de regiões de clima temperado.

 

Uma curiosidade bastante interessante: pessoas de origem asiática possuem no rosto espécies de ácaros diferentes de humanos de origem europeia e africana. Os cientistas estão pesquisando essa diferença para estudar a história da migração humana pela Terra.

 

Ácaros sobrevivem bem em cortinas, tapetes, colchões, cobertores e travesseiros. Vinte e cinco por cento do peso de um travesseiro velho é constituído de ácaros e seus resíduos.

 

No Brasil, os ácaros estão no topo entre os principais causadores de asma e rinite alérgica.

 

A alimentação varia conforme a espécie e o ambiente. Os ácaros que vivem em ambiente doméstico, por exemplo, costumam se alimentar de restos de pele humana (lembrando que perdemos pele pela descamação todos os dias).

 

Ácaros também podem viver junto aos folículos pilosos e glândulas sebáceas de uma pessoa, provocando a formação de cravos.

 

A prevenção ao ácaro inclui a lavagem regular de travesseiros, cobertores, lençóis etc. É recomendável deixar o colchão no sol de vez em quando.

 

Fontes: Wikipédia, National Geographic Brasil, Super Interessante, InfoEscola.

 

 


Comentários!: